sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Milagres ou algo parecido



         Há alta probabilidade de já ter citado a frase do gênio (dispensa apresentações) Albert Einstein (1879-1955) em textos anteriores: “Existem apenas duas maneiras de ver a vida. Uma é pensar que não existem milagres e a outra, é pensar que tudo é um milagre.” Todavia, a probabilidade se torna bem menor de ter incluso a Ana Carolina (mineira, natural de Juiz de Fora, cantora, compositora, instrumentista) e o Seu Jorge ou melhor; Jorge Mário da Silva, (carioca de Belfor Roxo, cantor, multi-instrumentista, compositor e mais recentemente ator) que merecem ambos os créditos em se tratando de qualidade sonora musical, no cenário atual de quase total descrédito - se analisarmos “Hit Parades das mais/mais” tocadas das rádios nacionais - nessa citação tri bacana que diz: “É isso aí... há quem acredite em milagre, há quem cometa maldades, há quem não saiba dizer a verdade.” Y por supuesto... nenhuma probabilidade de ter transcrito a frase maravilhosa (digitarei a seguir, óbvio) do Spock (seriado Star Trek/Jornada nas Estrelas) ou melhor; super hiper mega tudo de bom Leonard Simon Nimoy, (ucraniano de descendência, nascido em Boston (USA), ator, diretor, pintor, fotógrafo e poeta), quando firma: “Esse é o milagre. Quanto mais compartilhamos, mais nós temos.”

              (Mas se você pensou tão somente em compartilhamentos virtuais. Ok... ok... também vale 10 pontos migucho! Aliás, nesses tempos de horário de verão, que “altera todo sistema de software” do nosso organismo e nos deixa conectados além da conta, não resisti e antes de saltar ao próximo parágrafo, dissertando sobre o objetivo do artigo de hoje, registrarei mais um “extraordinário e sem comparação” Poema do Bocó: De dia o sono vem/à noite o sono vai/meu relógio biológico/deve ser do Paraguai!) Ohhhhh...

              Particularmente (não significa influenciá-lo), acredito em milagres. E também na veracidade dos Extraterrestres Reptilianos pretenderem dominar o Planeta Terra. E que a Maçonaria não é nada daquilo que diz ser e tem feito mais estragos do que você imagina. Também na existência de uma Conspiração em andamento para implantar o Caos e desestabilizar Governos Democráticos. Ah sim e nos segredos e tesouros escondidos na Amazônia (não somente do lado brasileiro), que mudarão a história da humanidade. Ok... ok... Em 2014, exploraremos em separado cada assunto, com direito a link informativo da fonte, de repente até fotos do ET de Varginha e muito mais!

              Acredito em milagres e em pessoas que estão dispostas a mudar o mundo, começando pelas mazelas da sua própria aldeia, não tendo medo de se expor, de ir para a praça, se manifestar, mostrar o rosto e se for preciso CPF e RG. Nada de Black Blocs e suas máscaras, vandalismo é outra (péssima) parada! (Ora, nada melhor que direcionar frustrações de uma camada desassistida por “n” governos corruptos com ajudazinha de interesses escuros em instalar o Caos em cima das ações de prevenção/contenção da polícia por exemplo.) Manifestações pacíficas é a resposta, a solução inteligente sim!           

              Acredito em milagres ou algo parecido. Na transformação. Da palavra à ação. Do fortalecimento dos laços entre os seres humanos unidos por um bem comum. Só por isso desde já desejo imensamente que o mês de dezembro abra a temporada dos abraços apertados, sem motivo aparente, mas principalmente no compartilhamento do anseio de estender a mão e se doar sem pedir absolutamente nada em troca, menos ainda tirando vantagens daqueles que se encontram em situação mais vulnerável que a nossa. Pra finalizar: “Obrigado Rei Julián O Sábio” em ceder mais um “estupendo” Poema do Bocó (eu juro que vai ser o último de 2013): “Aquilo que você pensa/aquilo que você sofre/num abraço apertado/de repente se dissolve!” Ohhhhh...

Régis Mubarak *


domingo, 24 de novembro de 2013

Pra ser sincero



              Já estava alinhavando um texto tri bacana sobre ficção científica. Bom... pelo menos na minha concepção (lógico) estava ficando “tri joinha,” só que definitivamente todos os noticiários martelando a prisão desse pessoal (tô sendo tri educada), envolvido “naquele enrosco horroroso” (o dicionário favorece a substituição por termos mais simpáticos), pois é... “Pra ser sincero” (a) vou colar alguns versos da música do mesmo nome da banda Engenheiros do Hawaii formada lá nos idos de 1984 que diz: (...) “pra ser sincero/não espero que você/minta/não se sinta capaz/de enganar/quem não engana/a si mesmo.” (...)” pra ser sincero/não espero que você/me perdoe/por ter perdido a calma/por ter vendido alma/ao diabo.” (É preciso destacar que as letras fantásticas das canções compostas por Humberto Gessinger e seus parceiros, servem a múltiplas situações: indo dos dias de meditação profunda até os obscuros dias de fúria!) Enfim...

              Pra ser sincero, ou melhor, sincera, como ia explicando não consegui dar continuidade ao texto sobre teorias de buracos negros, portais dimensionais, viagens a outros planetas e blá... blá... blá... Perdi a concentração, assistindo com “o olhão” na televisão todas àquelas criaturas indo pro cadeião! (Desculpe a rima, juro que não foi intencional!) E as reportagens graças ao efeito HD parafraseando clichês da propaganda “trazendo tudo para dentro da sua sala.” Acabei ficando “sem mojo” (digite Mike Myers, ator e escritor canadense criador de “Austin Powers” personagem sem noção e sem qualquer comparação, no quesito comédia criada para sacanear James “007” Bond), e se você fica “sem mojo” pode interromper imediatamente o que está fazendo e recomeçar noutro dia, há um descompasso entre corpo, cérebro e espírito. (Ah sim... antes de continuar preciso anexar o site de onde tirei a imagem belíssima porque vale a pena ir lá: http://wallpaper4god.com/pt/ e apreciar outras fotos e mensagens tocantes.)

              Vender a alma hoje em dia, convenhamos já estava se tornando atividade banal, (sem precisar destacar altamente lucrativa, porque isso sempre foi desde antes da invenção do Calendário Gregoriano e se atualmente assola (e emporcalha) até as paredes do Vaticano que dirá as frágeis terras do novo mundo), mas a impunidade e a justiça no Brasil (em se tratando de julgamento e punição a quem pratica crimes contra o patrimônio público), pareciam nunca atravessar o portal do abstrato retrato na parede e tornar-se ação real e sólida. Talvez hoje seja um período chave em que o simbolismo condensa a história da nossa existência enquanto jovem nação, reconhecendo e não mais permitindo que seus filhos, tanto “os escolhidos quanto os escalados,” em serem nossos líderes, nos representando enquanto sociedade voltem a cometer tropeços estúpidos, lesivos ou atos sórdidos. Eis a separação do joio do trigo: Mateus 13:24-30.

              (Semana que vem ou além, “volto a” escrever sobre ficção científica, um dos meus temas favoritos.) Por hoje juntando peças desse quebra cabeças reescreveremos juntos esse novo momento, do qual como cidadãos nativos dos mais longínquos rincões desse gigantesco continente, poderemos compartilhar em tempo real junto aqueles que amamos, a sensação de felicidade plena, da certeza de que não somente essas criaturas desse partido, mas de todos os partidos e todo o tipo de criatura que vilipendiar, usurpar ou se apossar “da coisa pública” não vai mais fazer escárnio do verdadeiro trabalhador brasileiro, aquele que acorda a 5 da matina, pega 2 ou 3 ônibus ou metrôs superlotados e de meio dia come sua marmita fria, ganhando salário na maioria das vezes indigno pra sustentar sua prole, sem jamais pensar em se apropriar nem em sonho/pesadelo daquilo que não é seu e menos ainda... vender sua alma ao maldito Chefe dos Tinhosos!

Régis Mubarak *