quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Jared Leto por Natasha Kinaru

Ser legal não é nada fácil



              Ao contrário é terrivelmente difícil. Extremamente doloroso. E complicado. Mas vamos por partes. Foi o escritor norte-americano Mark Twain (1835-1910), cujo nome verdadeiro era Samuel Langhorne Clemens, autor de obras super conhecidas como: “As aventuras de Tom Sawyer” e “Aventuras de Huckleberry Finn” que disse certa feita: “A gente não se liberta de um hábito atirando-o pela janela: é preciso fazê-lo descer a escada, degrau por degrau.”
              Mark Twain que era apaixonado por experimentos científicos, (e foi amigo de Nikola Tesla, (1856-1943), engenheiro, cientista e inventor de origem sérvia), antes de se tornar um escritor tri famoso trabalhou em dezenas de profissões, de impressor e tipógrafo, a piloto de barcos a vapor e mineiro.
              Se você nunca leu nada dele ou ouviu falar a seu respeito, pesquise. Atualmente graças à tecnologia e a internet, você pode descobrir o que quiser, de quem quiser, a hora que quiser, então só fica alienado se for muito preguiçoso ou muito presunçoso... achando que já sabe tuuudo da vida!
              Pués bién... voltando ao parágrafo inicial... para se transformar “passo a passo” em uma pessoa legal, simpática, aprazível e principalmente de bom coração, requer um esforço (e bota esforço nisso) sobre humano.
              Todas as religiões e filosofias, inclusive seitas esotéricas e afins, indicam o caminho, receitas, ideais, compromissos, e principalmente que a caridade e as boas ações enobrecem a alma. E todas elas, indistintamente também alertam que o mal espreita ao lado, que a tentação é sufocante, que os atalhos às vezes levam ao fundo do poço, que errar é humano, mas permanecer nele ou reincidir voluntariamente é um ponto a mais para a ruína.
              No entanto os cretinos, os facínoras e os mauzinhos da “nossa história,” sempre se fingindo de vítimas, ludibriam os mais fracos, ou mais ingênuos. E não me diga que você nunca caiu numa “daquelas armadilhas” do colega ao lado: na escola, na empresa em que você trabalha, e o mais dramático: os parentes-serpentes!
              Ser legal não é fácil e é por vezes, extremamente doloroso, mas é preciso tentar, o tempo todo, todo santo dia, um dia após o outro. Evoluir. Se tornar um ser humano bacana, servir ao próximo, sem segundas ou terceiras intenções, sem tirar vantagens das situações. Fazer a coisa acontecer. Colaborar. Construir. Lutar pelas causas justas, que beneficiem sempre o grupo, o coletivo, a sua comunidade.
              E você também cometerá erros, “escorregará na casca da banana,” vez por outra vai fazer bobagens e ser o causador de alguns dissabores. Mas se o seu objetivo é se tornar uma criatura melhor, não desanime, não esmoreça, não desista, e, por favor, não mude de time! Com o tempo, a própria história (a minha, a sua, a nossa), acaba por desmascarar os enganadores, os corruptos, os cretinos que destroem tantas vidas. E ao vivo e a cores, a gente vê o que eles têm por dentro, no coração, no fígado e no pulmão: vermes, micróbios, parasitas. (Um nojo!)
              Somente seres muito infelizes (e desprezíveis) consigo mesmo é que tem prazer em azucrinar a vida dos outros. Como eu disse... é terrivelmente difícil ser uma pessoa decente, mas jamais impossível.
              Tenha certeza que ser legal, buscar a felicidade e repartir o pouco que se tem, não faz (e nunca fará) mal a ninguém!
             
Régis Mubarak